Rio de Janeiro – Com sete medalhas – dois ouros, duas pratas e três bronzes – a seleção brasileira de Taekwondo fez a melhor campanha na história dos Jogos Pan-Americanos. Nesta segunda feira, 29/7, no ginásio de Callao, no Peru, mais quatro atletas levaram a bandeira brasileira ao pódio de Lima 2019, no último dia de disputas da modalidade.


Encerrando a competição para o Brasil, Milena Titoneli conquistou o título da categoria até 67 quilos, ao derrotar Paige McPherson, dos Estados Unidos, por 9 a 8, e tornou-se a primeira mulher a conquistar o título pan-americano no taekwondo.

– Eu acreditava muito nesta conquista, pelo trabalho duro que temos todos os dias nos treinamentos, mas quando acontece é algo inexplicável. Esta é uma das atletas favoritas, medalhista olímpica e mundial, e eu já tinha lutado três vezes com ela e perdido, mas finalmente consegui reverter o placar. Quero agradecer meus treinadores, Clayton e Reginaldo, meus pais, meu nutricionista, aos apoiadores, Marinha do Brasil, COB e CBTKD.

O confronto equilibrado foi marcado por alternâncias no placar e decidido nos últimos instantes. Mesmo atrás do placar, a brasileira buscou recuperação e no último “round” conseguiu a virada, com auxílio atento do seu treinador, Clayton dos Santos, que em lance decisivo usou o cartão que, após revisão da arbitragem, levou a brasileira para a dianteira do placar. Na sequência Milena ampliou a vantagem e nos segundos finais administrou a diferença.

– Esta conquista é para mostrar como o Brasil tem vindo forte. Sempre falam que o brasileiro é um povo muito forte e quando queremos algo a gente vai atrás – completou.

Formada por oito atletas estreantes na competição e média de 24 anos, o time brasileiro conquistou sete medalhas em oito categorias disputadas. Este resultado reforça o crescimento a nível internacional do taekwondo brasileiro. Antes de Lima, em maio deste ano, a equipe conquistou cinco medalhas no Campeonato Mundial de Manchester em 2019, já figurando entre os melhores da competição.

– Estou muito feliz pela participação de nossos atletas, porém não satisfeito e sim, com direção traçada e certeza que podemos muito mais. Sou grato a CBTKD por confiar em meu trabalho, ao lado do meu irmão, que se encaixa perfeitamente com os demais membros da comissão técnica. O Brasil teve suas melhores participações no Campeonato Panamericano, Mundial e agora nos Jogos Pan-Americanos – analisou o treinador do Brasil, Clayton dos Santos.

A medalha de prata de Ícaro Miguel, na categoria até 80 quilos, veio após um dos combates mais emocionantes do torneio, contra o colombiano Miguel Angel. O brasileiro iniciou a decisão na frente, porém com golpes rápidos o colombiano abriu vantagem ainda no segundo período. Nos últimos dois minutos Ícaro buscou a diferença e com golpes certeiros de ambos até os instantes finais, a luta terminou 19 a 17.

– Este resultado é uma vitória. Eu vim de uma prata no mundial e queria a medalha de ouro, mas conquistei mais uma final e mais uma medalha de prata. Saio contente com o resultado. Estes são os Jogos Pan-Americanos, com os melhores atletas de cada país das Américas, ou seja, um nível muito alto, e tenho certeza que eu estou entre um deles – analisou Ícaro Miguel.

Se na semifinal da categoria pesada, acima de 67 quilos, Raiany Fidelis Pereira não conseguiu passar pela colombiana Gloria Mosquera, na disputa pelo bronze foi diferente e com vantagem desde os instantes iniciais a brasileira não teve dificuldades para garantir mais um lugar no pódio para o Brasil, ao derrotar Carolina Fernandéz, da Venezuela, por 7 a 0.

– Estou aliviada, porque foi um dia difícil, com combates difíceis, mas se não veio o ouro que tanto esperava veio o bronze. Estava me sentindo bem, preparada e saio contente com este resultado – analisou Raiany Pereira, que conquistou a medalha de bronze na categoria acima de 67 quilos.

Maicon Andrade parou na semifinal da categoria pesada, acima de 80 quilos, contra o norte-americano Jonathan Healy. Mas garantiu a primeira medalha brasileira na noite, com o bronze sobre Jesus Perea, de Cuba, por 15 a 4. Maicon superou os obstáculos da eliminação e concentrado buscou a inédita medalha de bronze para sua vitoriosa carreira.

Com esta conquista Maicon escreveu mais um capítulo na história do taekwondo do Brasil e confirma a boa fase com esta medalha de bronze que se somará ao bronze Olímpico de 2016 e do Campeonato Mundial em Manchester 2019, conquistado pelo atleta.

 

– Graças a Deus pude representar bem o Brasil e conquistar esta medalha, porque só faltava ela. Batalhei bastante, fiz o melhor que podia em quadra. Não saio 100% feliz, porque por detalhe não fui para a conquista do ouro, mas voltei com a cabeça no lugar para buscar mais este título importante. Você tem que estar preparado para tudo e uma hora você vai ganhar e outra perder. É bonito ver o taekwondo crescendo cada dia e os atletas se dedicando e fazendo valer o que treinamos todos os dias – analisou Maincon Andrade.

Na etapa anterior, Edival Pontes conquistou a medalha de ouro da categoria até 68 quilos, a primeira do Brasil na edição de Lima 2019. A conquista veio da decisão contra o dominicano, Bernardo Pie.

– Consegui a medalha de ouro, estou muito feliz e agradeço a todos que torceram. A gestão da CBTKD comandada pelo Mestre Junior Maciel e Mestre Rivanaldo, com certeza, estão fazendo a diferença para o surgimento destas medalhas. Depois do resultado do Grand Prix de Roma, em que perdi para o campeão somente de um ponto, aumentou minha confiança e eu falei pra Talisca e meus pais que viria bem para o Pan. Estava ansioso e confiante e queria chutar logo – comentou o brasileiro.

No primeiro dia (27/7) de Pan-Americano o Brasil conquistou duas medalhas, prata e bronze, com Talisca Reis e Paulo Ricardo Melo, nas categorias leves de até 49 e até 58 quilos, respectivamente.

O Brasil finaliza a campanha histórica com sete medalhas conquistadas em uma única edição, superando a campanha do Rio 2007, e chega à soma de 21 (4 ouros, 6 pratas e 11 bronzes) no total da modalidade em Jogos Pan-Americanos.

– Este resultado é fruto da junção de vários fatores, cada um com sua importância. Esta geração de atletas têm características físicas favoráveis à tendência atual do Taekwondo, aliadas a mentalidades vencedoras e muito profissionalismo, contando com técnicos comprometidos e atualizados com as tendências e regras mundiais. Na coordenação temos uma ex-atleta medalhista olímpica, que conhece as particularidades da modalidade e principalmente as dificuldades dos atletas, junto com a presidência composta por pessoas que estavam há bem pouco tempo dentro dos Tatames, trabalhando como técnicos e que, ao assumirem o comando, se comprometeram em gerir a modalidade com honestidade, responsabilidade e voltada para os atletas e praticantes – analisou Rivaldo de Freitas, vice Presidente da CBTKD.

A seleção brasileira de Taekwondo em Lima contou com Talisca Reis, Rafaela Araújo, Milena Titoneli, Raiany Fidelis Pereira, Paulo Ricardo Melo, Edival Pontes – Netinho, Ícaro Miguel e Maicon Andrade. Comissão técnica: Clayton dos Santos (treinador), Diego Ribeiro (treinador), Paula Avakian (analista de desempenho) e Natália Falavigna (chefe de equipe).

VERSION NATALIA FALAVIGNA A MUNDOTAEKWONDO.COM

CARLOS HERNANDEZ

CBTKD

MELINA BAEZ SERRANO

MUNDOTAEKWONDO.COM